História

A Aurora Moda Gentil© nasceu do amor, do afeto e da saudade.

Em 2013, Érica Arrué Dias se perguntava como poderia ser estilista sem ser conivente com os danos ambientais resultantes da indústria da moda. Naquele mesmo período, teve de lidar com a morte da avó paterna e, ao encontrar um tricô deixado pela metade, teve o insight de trabalhar com mão de obra afetiva e com mulheres que, como sua avó, dedicassem horas de seus dias tecendo e pensando em cores, pontos e modelos para seus familiares.

Quem de nós já não ganhou um blusão ou casaco feito pela mãe, avó ou tia? Será que esse presente recebeu o devido valor?

Tecer exige cuidado, amor, carinho e atenção, ponto a ponto. Cada peça pode levar semanas para ficar pronta e perfeita, e nem sempre é possível conhecer a história das peças que adquirimos.

Em 2014 a Aurora veio ao mundo para valorizar a arte manual do tecer, crochetar, bordar, feltrar, associando-a a práticas conscientes em toda sua cadeia produtiva. Em um processo detalhado, de ponto a ponto, de passo a passo, voltamos nossos olhos para a região da campanha gaúcha, mais precisamente a cidade de Dom Pedrito, origem e sede da marca.

Por ser o Rio Grande do Sul o estado com o maior rebanho de ovinos do Brasil, selecionamos a lã pura da raça merino – a mais nobre para uso em vestimentas e artigos de decoração – como matéria-prima principal e, em parceria com a Associação de Criadores de Ovinos – Arco, buscamos um produtor rural que estivesse atento ao bem-estar animal e sua melhor qualidade de vida.

Após esquilar, lavar, cardar e fiar, a lã é separada. Enquanto uma parte preserva o tom natural da matéria-prima – branco, marrom ou cinza –, a outra passa por um suave processo de tingimento, com pigmentos vegetais e sem produtos químicos – como o verde-carqueja amarelo-macela ou o tom rosado da casca de acácia negra – antes de chegar à etapa da confecção.

Para o processo de confecção reunimos mulheres familiarizadas com o fazer manual, mas em situação de vulnerabilidade social. Elas recebem apoio e treinamento de professores e estilistas em diversas técnicas de trabalho artesanal e a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos, profissionalizar o artesanal e definir valores justos de remuneração. Além disso, a Aurora buscou assistência psicossocial junto à Prefeitura Municipal de Dom Pedrito para promover a melhoria da qualidade de vida dessa família formada em torno de um modo de produzir ético e respeitoso com o ser humano e com a natureza.

Hoje elas são nossas mestras artesãs e dão vida a cada produto e a cada peça.

Depois de trabalharmos com lã, foi a vez de buscar uma matéria-prima alternativa e selecionamos a fibra de garrafa PET. Em média, a reciclagem de 5 garrafas resulta na fabricação de 1 metro linear de tecido e assim o lixo já existente passa por um ciclo de reaproveitamento. A transformação do PET – um polímero termoplástico – em fio e em tecido é feita por uma indústria familiar na região da Grande Porto Alegre escolhida por adotar meios de produção sustentáveis e apresentar certificação ambiental.

Hoje temos um fio misto de lã e PET para que lãs menos valorizadas para o vestuário, se tornem mais macias e confortáveis e assim tenham um ciclo de vida mais longo e sustentável. 

Sabemos que esses são pequenos passos, mas valorizamos cada um deles.

Com esse trabalho a Aurora Moda Gentil© foi finalista do EcoEra em 2015 e em 2016, prêmio promovido pela Revista Vogue, em São Paulo, que avalia e reconhece empresas brasileiras com pontuação máxima no questionário do sistema B – sistema que pontua e certifica uma rede global de empresas e organizações ocupadas em associar crescimento econômico e promoção do bem-estar social, cultural e ambiental, os pilares da sustentabilidade.

Ainda em 2016 fomos além e criamos a Dona Tricoteira©, um novo polo de trabalho manual para as artesãs da Família Aurora©. Com a preocupação de manter demandas reais durante o ano todo, e não apenas durante o período do inverno, cocriamos peças de decoração e acessórios usando sobras, materiais de reuso – fios de malha – e fios de poliéster.

A acolhida tem sido grande e o espaço se tornou rapidamente um facilitador nos processos de aprendizagem, elaboração de projetos e realização de sonhos.

Berço de anseios lúdicos, criativos e construtivos, a Dona Tricoteira© abre possibilidades para o desenvolvimento da motricidade fina e de um olhar artístico de mulheres e crianças, além da valorização dos artigos feitos à mão.

No mesmo período, a estilista e fundadora da Aurora, Érica finalizou um Mestrado em Design: mantendo o foco de sua pesquisa no desenvolvimento sustentável, estudou a reinserção da lã gaúcha no mercado da moda e o ciclo de vida da matéria-prima – desde a criação de ovinos especialmente para a produção de lã até a reciclagem – passando a implantar esse conhecimento em ambas as marcas.

Entendemos que nada muda do dia pra noite, tudo tem seu tempo e, principalmente, que toda mudança começa por nós mesmos. Vem conosco?