Sem categoria

Guia Slow Fashion: como ir na contramão do consumo rápido da moda

O movimento slow fashion incentiva a desaceleração do consumo de moda rápida (fast fashion) e a valorização de peças duradouras e atemporais.

Precisamos pisar no freio e desacelerar. Essa é uma das premissas do movimento slow fashion (moda lenta) que tem se propagado mundo à fora.

A ideia é que repensemos o nosso consumo da moda rápida, com produtos “descartáveis” e que muitas vezes têm processos que desrespeitam o meio ambiente e as pessoas que fazem parte da cadeia produtiva.

A moda slow preza por uma consciência ética, itens duráveis, produção criativa, responsabilidade social, matéria-prima sustentável entre outros aspectos. Ou seja, é preciso repensar toda a cadeia produtiva e de consumo, pois quanto mais acelerado é esse processo, mais impactos negativos são gerados tanto para a natureza quanto para as pessoas.

Desacelerar não é fácil, mas é preciso e (totalmente) possível. O blog Review Slow Living organizou algumas dicas para ajuda quem quer praticar o slow fashion no dia a dia.

1- Você precisa de algo novo?

Já comentamos aqui no blog sobre a pergunta primordial do consumo consciente. É preciso repensar se você precisa de algo novo ou se é possível reutilizar, dar uma nova vida para uma peça que está dentro do armário. 

Se a escolha for comprar uma nova peça, valorize e dê preferência por marcas de moda consciente e sustentável, como a Aurora.

2- Compre menos e com qualidade

Não compre roupas “descartáveis”. Em curto prazo elas serão muito mais caras para o seu bolso (pois você terá que comprar novas) e para a natureza (pois a maior parte das roupas e objetos são descartados incorretamente gerando diversos prejuízos para o meio ambiente).

Opte então por menos peças que tenham mais qualidade e sejam duráveis.

3- Apoie marcas locais e designers de moda eco

Estar atenta as novidades das marcas e designers de moda sustentável, ecológica e consciente é um dos passos para exercitar a moda slow e contribuir com a propagação do movimento slow fashion.

4- Brechós

Se você nunca entrou em um brechó ou participou de algum itinerante  não perca mais tempo. Os brechós são ótimas alternativas para quem é amigo da sustentabilidade. Neles uma peça que você não quer mais pode ganhar um novo destino e fazer a cabeça de outras pessoas e vice-versa. Outros dois pontos também são positivos nos brechós: (1) Você pode economizar, afinal, comprar uma roupa ou acessório usado é muito mais barato do que quando era novinho em folha; (2) Nossas peças têm história, ou seja, quando elas passam para outra pessoa, carregam um pouquinho da nossa bagagem e a memória afetiva é um dos aspectos mais queridos da moda sustentável.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *